16 de fevereiro de 2013

Jacareí, 12 de fevereiro de 2013

Queridas Religiosas, queridos Religiosos reunidos neste Congresso das Novas Gerações,
Paz e Bem!
Eu sou Ir. Mara Rúbia da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora do Amparo estive aí participando do Congresso até ontem quando precisei me ausentar. Confesso foi muito bom.
De volta para casa vinha eu no ônibus ruminando tudo o que ouvi e vi. E hoje ao acessar o site é de verdade, meu coração ardia e continua ardendo. As palavras e os gestos marcaram minha vida e acredito que marcaram também a vida de cada um.
Parabéns a equipe de organização e todos que colaboraram para que este grande evento acontecesse.
Que o nosso coração possa arder sempre e como os discípulos de Emaús, possamos reconhecer Jesus ao partir o pão.
Um abraço a todos
Ir. Mara Rúbia

15 de fevereiro de 2013

Jovens da Vida Religiosa Consagrada realizam Congresso


Por Osnilda Lima - Paulinas

Jovens da Vida Religiosa Consagrada na oração da Via Sacra em Aparecida (SP)

Em clima de alegria, entusiasmo e desejo radical em seguir Jesus Cristo, jovens se reúnem para celebrar a Vida Religiosa Consagrada e refletir sobre ela

Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida - aparecisda (SP)
Aparecida (SP), acolheu de 9 a 12 de fevereiro de 2013, o II Congresso das Novas Gerações da Vida Religiosa Consagrada. Participaram 800 jovens de todas as regiões do Brasil, como também, diversos religiosos jovens de outros países que estão fazendo experiência missionária e formativa no Brasil.
O lema do Congresso: “Ardia o nosso coração quando Ele nos falava no caminho” (Lc 24,32) foi a mística que perpassou todo o Congresso, como ressalta irmã Marian Ambrosio, presidente da CRB Nacional (Conferência dos Religiosos do Brasil). “Cada canto, cada detalhe, cada toque, cada símbolo, cada momento, cada gesto, cada círculo focavam a profundidade do processo chamado de mística, no desejo de seguir e perceber a presença do Cristo que caminha conosco.”
A presidente enfatiza grandes ganhos do Congresso. “O primeiro grande ganho de um Congresso como esse é colocar o jovem com o jovem. Um processo preparado pelo grupo, realizado e avaliado pelo grupo. Só isso já valeu! Se a gente tivesse ficado um dia juntos e vivenciado a intensidade desse momento de amizade, cuidado mútuo, teria valido”, salientou irmã Marian.
Momento de tecer relações e construir caminhos
O segundo elemento que a presidente da CRB destaca como valioso do Congresso é a beleza da escolha do tema: Novas gerações: tecendo relações, construindo caminhos. Já o terceiro, segundo ela, foram as conferências proferidas pelos assessores. “Se a gente prestar atenção, não houve repetição. Houve confirmação, os focos dos temas foram trabalhados com profundidade única que merece um grande agradecimento”, ressalta irmã Marian, que ainda destaca a importância da realização do evento em Aparecida (SP). “O Santuário, este lugar onde acontece a Assembleia dos Bispos, tudo respira uma dimensão intereclesial, muito santificada pela presença de Nossa Senhora Aparecida. 800 jovens! É muita coisa! A participação não era para todo mundo, mas até 10 anos de Profissão Religiosa definitiva. Todos os regionais da CRB estão presentes! A quantidade qualificou o evento”, finaliza a presidente da CRB Nacional.

Momento de espiritualidade, jovens rezam a experiência de Emaús
Muito além do esperado − Para o assessor para assuntos de Juventude da CRB Nacional, frei Rubens Nunes da Mota, o Congresso não só atingiu os objetivos mas, segundo ele, ultrapassou alguns aspectos.  “O objetivo era congregar para partilhar e impulsionar a vida religiosa jovem, reanimando, impulsionando para a articulação. Tínhamos 700 vagas, e esse número ultrapassou indo bem além de nossas expectativas. O número de equipes de reflexão também ultrapassou. Os assessores e assessoras responderam muito bem, a equipe de coordenação muito coesa, muito sintonizada. Acredito que aquele grande objetivo de que as congregações voltarão para as suas províncias e regionais com vontade de continuar, o que era o grande desejo, isso está acontecendo, apareceu no relatório. Esse não é um momento estanque. O Congresso foi sonhado para que a partir do Congresso as pessoas saíssem com vontade de caminhar e se articular, e foi o que ouvimos no relatório: articulação nas regionais através de seminários, grupos novas gerações e que o congresso aconteça de 3 em 3 anos coisa que não tínhamos e agora temos propostas concretas para a CRB Nacional.  Isso não dependerá mais de um assessor ou de um presidente. Troca-se a diretoria da CRB Nacional mas não interfere na caminhada. Temos propostas deles para a CRB Nacional e não da CRB para eles, o que muda, inverte totalmente. De fato, senti meu coração arder nesse Congresso”, enfatiza com entusiasmo o assessor. 

Na partilha do pão, os peregrinos de Emaús reconhecem de Jesus
Busca renovada da juventude − Irmã Lucia Wailer, integrante da equipe de Reflexão Teológica da CRB Nacional e que colaborou na assessoria do Congresso, ressalta o grande número de adesões pelos jovens religiosos, formadores e provinciais. “Isso revela, a meu ver, essa busca pela Vida Religiosa Consagrada (VRC) renovada a partir da própria juventude como sujeito presente e não como esperança do futuro algo radical”, destaca irmã Lucia. A religiosa ainda enfatizou a busca sincera dos jovens religiosos em querer algo radical no seguimento de Jesus Cristo. “Nem sempre acertamos nos caminhos práticos, e possibilitar isso em conjunto no desafio da coerência faz a diferença. Precisamos seguir o Caminho sem tirar o foco que é seguir Jesus Cristo na radicalidade e entrega de vida até o martírio por causa do Reino, por causa dos pobres, por causa de Jesus. Essa é a essencialidade, a VRC como necessidade no mundo de hoje”, conclui irmã Lucia.

Missionários no Brasil − Bernard Mwangi Maina, Missionário Consolata, que participou do Congresso, afirma ter ficado impressionado com a participação dos religiosos e religiosas no evento. “É uma riqueza participar de um Congresso que tem dimensões de intercongregacionais. Descobri que há certas atividades que não deram certo em minha paróquia, pois tentei realizar sozinho, e agora entendo que precisa da presença feminina da Vida Religiosa Consagrada para juntos trabalharmos”, afirmou.
Já a jovem missionária, que está no Brasil a menos de um ano, Hotência Jacob Alhaguilunguana, Franciscana Missionária, afirma que se surpreendeu com a expressão da Vida Religiosa Consagrada no Brasil. “Foi muito bom participar deste evento, assim consegui ter noção dos tantos carismas e formas de atuação das religiosas e religiosos aqui no Brasil”, revelou.
Para ser guardado para sempre

Sim, nós participamos do Congresso

Vida comunitária, grande dom

Celebrar a Palavra

Comungar é tornar-se um perigo...

Reflexão e muita concentração

Cantai ao Senhor e animai aos congressistas

Pausa para o descanso

A partilha do pão

Partilha da missão além Brasil

Tudo é resolvível

Vamos animar


O Congresso se espalhou pelo mundo, através da comunicação

12 de fevereiro de 2013

Vida Sacra

Por Osnilda Lima - Paulinas e Tiago Melo - Paulinos

A juventude da Vida Religiosa Consagrada, no 3º dia de Congresso, no fim da tarde, rezaram a Via Sacra. O texto que iluminou a oração foi o Caminho de Emaús (Lc 24,13-35). Jesus se coloca com os peregrinos.

No caminho de Emaús
 O caminho de Emaús tem início na tarde de Páscoa.
Os peregrinos se colocam a caminho no fim da tarde
Jesus, com eles, se faz um peregrino também.

O Senhor se aproxima
Decepcionados, os dois peregrinos estão retornando para casa.


A crise no caminho
O estrangeiro deixou que os peregrinos falassem suas dores e decepções.
O mestre escuta a dor dos peregirnos

Jesus percorre todo o caminho com os peregrinos, e eles pedem: "Fica conosco Senhor, é tarde e a noite já vem. 
Convidam o forasteiro para permanecer com eles
Eles  reconhecem Jesus no partir do pão.
Eles o reconhecem no partir do pão
Jesus os convida a fazerem o mesmo.

Jesus os envia
Jubilo e partilha, retornam ao povo.

Eles saíram, partiram o pão.
Obrigado/a Senhor por caminhar conosco e por recomeçar sempre com cada um/a de nós. Obrigado/a pelo convite que faz a cada um de nós.

Psicólogos fazem leitura crítica de pesquisa sobre a nova geração na Vida Consagrada


Por Tiago Melo - Paulinos

Pesquisa revela soluções às novas gerações de consagrados e aponta fragilidades na Vida Religiosa

Jovens religiosas participantes do Congresso  Novas Gerações da Vida Religiosa


No dia 11, o II Congresso Nacional das Novas Gerações da Vida religiosa, em Aparecida (SP), recebeu o padre Adalto Luis Chitolina, da Congregação do Sagrado Coração de Jesus e a irmã Fátima Moraes, Apóstola do Sagrado Coração. Eles são integrantes da equipe de reflexão psicológica da CRB Nacional (Conferência dos Religiosos do Brasil) e apresentaram o resultado da pesquisa realizada pela CRB Nacional entre os meses de março a novembro de 2011, com a vida religiosa jovem do Brasil.

Confirmações, inquietações e o futuro da Vida Religiosa Consagrada


A pesquisa propôs três perguntas aos jovens religiosos: Quais são os principais sonhos e expectativas da Vida Religiosa Consagrada (VRC) jovem. Quais os desafios e dificuldades? Quais são suas atitudes diante dos desafios e dificuldades.

A análise da pesquisa partiu de três aspectos: confirmações, inquietações e futuro. No primeiro aspecto foi possível perceber que emergem possibilidades de uma contribuição maior das Novas Gerações de religiosos no processo construtivo de valores e revitalização da própria vida religiosa. Depois, há um grande desejo, por parte dos consagrados, de ser protagonista na missão e vida do instituto. E que a fraternidade sempre foi e será um ambiente que possibilita o crescimento pessoal e liberdade de pensamento.

Outro aspecto da confirmação da pesquisa foi a importância da CRB na VRC do Brasil, não só por questões organizacionais, mas pela possibilidade de abrir janelas e horizontes com experiências intercongregacionais. Surgiu também uma inconformidade com a falta de articulação não só da CRB, mas pelos próprios religiosos que não se articulam para melhorar o desempenho da ação da Conferência.

Inquietações e buscas da VRC
O Segundo ponto apresentado pelo padre Adalto e também pela irmã Fátima foram as inquietações. Disparidades entre a pesquisa escrita e a falada. Enquanto a primeira, feita por meio de questionários, apresenta grande insatisfação com a Vida Religiosa, a segunda mostra algo bem diferente. Isso quando os religiosos se encontram em assembleias, conferências e congressos. “Tudo é ótimo, tudo é belo”. “O que será de fato?” Perguntou o padre. Outro aspecto é a falta de disponibilidade para o trabalho e atuação juntos aos grupos reflexivos e na própria CRB.

A VRC da nova geração tem-se muito de autoconhecimento e muito de fechamento em si. E essas duas coisas não se combinam. “Só há um verdadeiro autoconhecimento, caso haja uma abertura à realidade, ao hoje.” diz irmã Fátima. Sobre as relações na vida religiosa, o padre Adalton falou: “O princípio fundante da Vida Religiosa não pode ser o afeto, mas sim o projeto do Reino, Jesus, o Evangelho. O nosso chamado primeiro”. E ainda desafia, “Não podemos confundir uma comunidade de laços afetivos humanos com uma comunidade de fé. O laço afetivo entre as pessoas é consequência da razão maior que nos agrega, Jesus! Mas isso sem fé, o que será?”, revela o psicólogo. 

O terceiro ponto foi o futuro. Futuro este não só da vida religiosa, mas também os frutos de todo o empenho na formação e serviço tanto dos institutos, congregações, ordens religiosas quanto o da CRB. O sacerdote disse que o resultado, ou até mesmo o congresso não termina aqui. Ele é uma oportunidade ao novo. Sempre começando pelo próprio eu.

Entre a colocação dos psicólogos, a irmã Marian Ambrósio, presidente da CRB Nacional veio dar um comunicado que “abalou” o mundo e, principalmente o mundo cristão católico. O Sumo Pontífice Bento 16 em um consistório, reunião com os cardeais, anunciou sua renúncia ao papado da Igreja de Roma. “Caros irmãos, convoquei-os para este consistório, não apenas para as três canonizações, mas também para comunicar a vocês uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Após ter repetidamente examinado minha consciência perante Deus, eu tive certeza de que minhas forças, devido à avançada idade, não são mais apropriadas para o adequado exercício do ministério de Pedro, trecho da carta de renúncia de Bento 16”. (Rádio Vaticano).

Para a presidente essa é uma atitude de grande humildade e de profunda maturidade. A Igreja demonstrou uma nova face. Todos os religiosos, comovidos por tal notícia, e convocados pela irmã Marian cantaram: “Nós estamos aqui reunidos como estavam em Jerusalém, pois só quando vivemos unidos é que o Espírito Santo nos vem. Feita de homens Igreja é divina, pois o Espírito Santo a conduz, como fogo que aquece e ilumina, que é pureza, que é vida, que é luz.”(Letra: Pe. Lucio Floro / Letra: Mirian T. Kolling, ICM.) Ao concluir o canto, os congressistas  ovacionaram com uma grande salva de palmas.

11 de fevereiro de 2013

Vida Religiosa Consagrada reza a Palavra Deus




Por Francisco Galvão, Paulino


Leitura Orante da Palavra de Deus marca tarde do II Congresso Novas Gerações da Vida Religiosa Consagrada

Em pequenos grupos a juventude da vida religiosa reza a Palavra de Deus


 Nesta tarde, 11 de fevereiro, os congressistas participaram do momento de Leitura Orante da Palavra, conduzido por irmã Lúcia Weiler, Irmãs da Divina Providência. A proposta de reflexão foi o texto de Ezequiel (37,1-14), sobre os ossos ressequidos. Após a proclamação do texto, irmã Lúcia enfatizou a importância da Palavra de Deus e da prática da Leitura Orante para o fortalecimento espiritual do (a) religioso (a). “A oração meditativa da Palavra de Deus é embasamento indispensável para aquele que busca imitar a Cristo e realizar sua vontade”, ressalta.

Com base na proposta de Leitura Orante, conduzida por irmã Lúcia, os participantes reuniram-se em subgrupos de 15 para realizarem a reflexão, tendo como ponto de partida algumas perguntas, compreendendo três dimensões (meditar, rezar, agir), a saber: o que o texto diz para mim? O que este texto me faz dizer a Deus? O que o texto me provoca a fazer?

Ao voltarem da experiência de grupo, os participantes foram conduzidos à experiência do silêncio, embalados por um som instrumental, em seguida, o ministério de música concluiu o momento com um canto.

Caminhos construídos pelos jovens seguidores de Jesus no Brasil


Por Osnilda Lima - Paulinas

Jovens religiosos das cinco regiões do Brasil partilharam suas experiências de grupos de Novas Gerações

Tecer relações e construir caminhos: esse é o grito de esperança e compromisso dos jovens religiosos da vida consagrada de todo o Brasil reunidos em Aparecida (SP), no Congresso “Novas Gerações da Vida Religiosa Consagrada” promovido pela CRB Nacional - Conferências dos Religiosos do Brasil. O evento que acontece de 9 a 12 de fevereiro de 2013. O  texto bíblico do lema do Congresso: “Ardia o nosso coração quando Ele nos falava no caminho”, embala a juventude em uma só voz. O texto é do evangelista Lucas (Lc 24,32), em que Jesus se coloca a caminho com dois peregrinos logo após sua morte.
Na leitura do livro do Genesis (Gn 1, 1-19), que a liturgia propõem nesta terça-feira (11), e que foi proclamada na Celebração Eucarística no início das atividades desse dia é o texto da criação. Vale ressaltar que esse texto da Primeira Leitura para no quarto dia da criação. Em seguida vem o Evangelho (Mc 6, 53-56), em que Jesus acaba de atravessar com seus discípulos o mar da Galileia, assim que descem do barco, as pessoas logo os reconhecem e acorrem ao encontro deles. A criação não está acabada Jesus e seus discípulos entram em ação.
Tecendo um paralelo entre a Primeira Leitura, o Evangelho e a Vida Religiosa Consagrada (VCR), ao contemplar o mundo hoje, percebe-se, ele está inacabado, Deus quer precisar da Vida Religiosa Consagrada para ajudá-lo na conclusão, já que os mesmos se comprometem com a causa de Jesus Cristo ao consagrar a vida para Deus pela causa do Reino de Jesus Cristo.
Os 800 jovens religiosos que participam do Congresso, representam a juventude dos 32 mil religiosos e religiosas que habitam o Brasil. Durante a Celebração Eucarística eles trouxeram símbolos representando as cinco regiões do Brasil e os anseios do povo.
Na homilia, padre Jorge Sampaio, Congregação Redentorista e membro da Diretoria da CRB Regional de São Paulo chamaram à atenção da juventude da VRC, que a mesma tem a missão de estar no meio do povo, assim como Jesus e seus discípulos se mostram no Evangelho da liturgia desse dia, e ajudá-los em seus sofrimentos, como também celebrar suas alegrias.
E assim eles fizeram. Em seguida a Celebração Eucarística os jovens religiosos apresentaram, por regiões do Brasil, suas caminhadas, sonhos, alegrias e desafios.


Região Sudeste
A região Sudeste apresentou a realização do pré-congresso em que teve como objetivo reunir e oportunizar uma reflexão referente a realidade dos jovens religiosos. “Trazemos o grande sonho de nos regionais ter a juventude religiosa articulada”, revelou irmã Maria Abreu Ferreira, da congregação Santos Anjos, que ainda destacou sonhos e esperanças de dias de maior partilha e interação entre os jovens religiosos das diversas congregações e articulação de grupos Novas Gerações onde ainda não há. Irmã Maria, salientou também que há o desejo de que as congregações acreditem e se envolvam mais com as iniciativas da CRB e suas atividades.


Região Centro-Oeste
Irmã Ivone Gonçalves, da congregação das Irmãs Sacramentinas e o frei Henrique Arguilar Filho, Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, apresentaram a realidade da juventude do Centro-Oeste, seus sonhos, alegrias e desafios. “Não somos somente o futuro. Somos o presente, somos protagonistas de nossa história, provocamos mudanças nos espaços onde estamos. Desestabilizamos. Somos presença profética. Somos ousados. Somos movimento do Espírito na Instituição, na Igreja e no mundo”, afirmaram os jovens religiosos.

Os sonhos
Os sonhos embalados com o desejo de acordar para a realidade, trazidos por frei Henrique e irmã  Ivone foram:
ü  Um projeto comum entre os religiosos que impulsione para a missão junto aos mais necessitados, num espírito de abertura e construção coletiva.
ü  O anseio de assumir compromisso numa VRC mais dialogada de forma que chame a atenção de outros a vivenciarem conosco essa mesma realidade.
ü  Uma VRC com enfoque nas questões sociais e que seja presença profética onde a vida está ameaçada.
ü  Ser livre para buscar o que nos realiza sem tantas imposições e regras. Conservar o espírito jovem, ousado, criativo, comprometido.
ü  Vivenciar com mais leveza e compreensão as relações comunitárias.
ü  Fortalecer os grupos de partilha/vivência das Novas Gerações como espaço propício para cultivar e potencializar nosso Ser Consagrado. 
ü  Promover a visibilidade das reflexões dos grupos de Novas Gerações dentro das nossas Instituições.

Alegrias
Há momentos e realidades de alegria no convívio dos jovens religiosas na partilha entre as congregações.
ü  Encontros de formação intercongregacional para Novas Gerações; Momentos de espiritualidade, partilha, convivência com o povo sofredor.
ü  Perceber que estarmos juntos e tecer a colcha, (colcha essa que foi tecida pelo regionais de CRB e costurada num grande mutirão na abertura do Congresso), é falar de comunhão e identidade. Neste sentido nossas Congregações se tornam pequenas: somos uma família , a Vida Religiosa Consagrada.
ü  Sentir-se parte na construção do Reino, sem perder o ânimo diante dos conflitos geracionais.
ü  A importância de conviver enquanto grupo de Novas Gerações da Vida Consagrada nos anima, nos constitui enquanto identidade.
ü  A proposta da vida comunitária em seu processo de construção de amor, cuidado, sensibilidade e carinho. O que primeiro nos atraiu na VR foi e é a proposta e não a Instituição.
Os jovens religiosos concluíram que ao pensar na construção de uma colcha de retalhos o fio une a colcha não aparece, mas sabe-se que ele existe. Jesus é esse fio que nos une em as diferenças entre os religiosos, ressaltaram.

Desafios
Para continuar uma caminhada de sonhos e alegrias é preciso tomar consciência que há desafios que impendem essa dinâmica e se faz necessário trabalhá-los. Segundo os jovens religiosos há diversos desafios:
ü  As relações e a compreensão da pessoa em sua singularidade como exercício de uma escuta madura. A leveza nas Instituições começa a partir de cada indivíduo, em uma dinâmica circular: que cada um respeite o ritmo e tempo do outro.
ü  O ativismo dentro da VR. O peso institucional e acúmulo de serviços em uma única pessoa, sem considerar o “SER”.
ü  Conciliar o modelo da VRC com as exigências atuais. Por exemplo: As relações com a tecnologia.
ü  Envolver as Novas Gerações das diversas Congregações e Províncias da CRB nos encontros e reflexões necessários para o II Congresso e principalmente o Pós-Congresso.
ü  O risco de cair no comodismo e desânimo diante das dificuldades (permanecer nas Instituições pelas compensações e não pelo Reino). O exercício do poder (como serviço e não como mando).
ü  Como ser presença nas diferentes realidades: “das juventudes”, de violência com os Povos Indígenas, tráfico de pessoas, extermínio de jovens... ?
ü  Resgate do profetismo frente à realidade de fechamento da Igreja, que nem sempre revela a bondade e misericórdia de Deus.

Propostas
Os jovens religiosos da região Centro-Oeste, também trouxeram suas propostas:
ü  Criação de “alianças” que ajudem e que apoiem os jovens dentro das Instituições.
ü  Unir forças para assegurar a continuidade de uma VR que atenda às necessidades do tempo atual.
ü  Produzir materiais científicos para a VRC a partir das reflexões das Novas Gerações e dos Carismas Congregacionais.
Eles deixaram um questionamento para refletir:
1.      Como nós, Novas Gerações, iremos acolher as novas vocações, mantendo a essência e rompendo paradigmas?


Região Norte
Irmã Becky Fernandez Mamio, da Congregação da Divina Providência, relatou as experiências vividas pelos jovens religiosos da região Norte. Segundo Becky, para o grupo nortista sonhos, alegrias e desafios se misturam. O maior sonho é fortalecer, articular e unir forças com os vários grupos de Novas Gerações que há na região. Buscam partilhar e expressar a alegria que vem de Deus, e tornarem-se cada vez mais presença alegre no meio do povo. Para eles o maior desafio é abrir-se para novos horizontes de atuação da VCR. A irmã também ressaltou que os subsídios oferecidos pela CRB Nacional ajudaram a acalantar os sonhos, a enfrentar os desafios e favoreceram a convivência a partilha entre o jovens religiosos. Destacou também que nas partilhas surgiu a inquietação e o compromisso de: “Não se preocupar com as estruturas da VRC, mas sim em quê o povo vai lembrar da VRC, como tratou seu irmão, como olhou para ele. Serão nossas pequenas atitudes que ficam marcadas na pessoas”, concluiu a jovem religiosa.


Região Nordeste
As representantes da vida religiosa jovem da região Nordeste, foram as irmãs Ana Paula Guimarães, da Congregação das Irmãs Cordimarianas e Gilcilene Ferreira Silva, da Congregação Escravas da Imaculada Menina. As irmãs destacaram que não está articulado em todos os estado nordestino o grupo de Novas Gerações. No entanto, mesmo a participação sendo de pouco membros há vivencias que favorecem o crescimento e partilha dos que participantes como a dimensão da espiritualidade, a vivência da missão, a vida acadêmica, as juventudes, as confraternizações. “Isso nos incentiva, nos impele a desfrutar da presença uns dos outros, nos alegrarmos, e nos animarmos em nossa vocação”, ressaltou irmã Gilcilene.


Região Sul
A região sul foi representada pelo irmão Ismael Giachini, da Congregação dos Oblados de São José.  Ismael partilhou o pré congresso realizado em Curitiba (PR) em 2012.  A proposta e desafio que a região Sul traz é o continuar a fortalecer e animar os grupos de Novas Gerações. Para eles os grupos de Novas Gerações tornaram-se grupos de vivência em que fizeram um caminho de acompanhar e se deixar acompanhar. As partilhas os fortaleceram na caminhada. E ao fim de sua colocação o irmão convidou toda a assembleia a danças uma ciranda.


Mutirão das Novas Gerações de Brasília

De 28 a 30 de setembro o Grupo Novas Gerações Regional Brasília esteve realizando, na Capela N. Sra. Aparecida, que pertence a Paróqui...