12 de setembro de 2018

Mutirão no Rio Grande do Sul

          Nos dias 07 a 09 de setembro aconteceu no Sítio Notre Dame, em Nova Santa Rita, RS, o Mutirão Estadual das Novas Gerações da Vida Religiosa Consagrada do Rio Grande do Sul. O tema do encontro foi a retomada do seguimento de Jesus Cristo a partir da opção preferencial pelos pobres, no ano em que a Igreja celebra os 50 anos da Conferência de Medellín. Foram três dias de estudo, reflexão, dinâmicas e místicas, que favoreceram a vivência do tema. O Mutirão contou a assessoria da Irmã Raquel Pena Pinto, Irmãs de Nossa Senhora do Horto, e com a presença da Irmã Clotilde Azevedo, Apostolina, Assessora Executiva da CRB Nacional, responsável pelo Setor Juventudes e Novas Gerações. O grupo foi motivado a retomar a opção pelos pobres, a Vida Religiosa servidora e pobre, a Igreja comprometida com a causa do povo sofredor a partir de filmes, como o da vida de Dom Oscar Romero, o Pacto das Catacumbas, de um momento forte de oração onde foram rezadas a vida dos Mártires da América Latina de ontem e de hoje.

O grupo se envolveu, sentiu junto, participou, partilhou suas angústias e esperanças, num desejo grande de crescer na fidelidade e na radicalidade do Evangelho. Algo que mexeu com o grupo é a questão dos migrantes venezuelanos que estão sendo trazidos para a região metropolitana de Porto Alegre, tanto que o grupo fará contato e procurará encontrar formas de somar com esse grupo de empobrecidos. Na semana do Mutirão chegou um grupo de venezuelanos e nas próximas semanas irá chegar mais dois grupos para as cidades de Esteio e Canoas. As Novas Gerações se integrarão ao Núcleo da CRB para realizar alguma atividade com os migrantes venezuelanos.
O Frei Vanildo Zugno, OFMCap, da coordenação da CRB Regional de Porto Alegre, se fez presente no encontro, sendo que o mesmo encerrou com a Celebração Eucarística presidida pelo Frei Arno Frelich, OFM.
Os 26 participantes construíram juntos o encontro, com muita animação e disposição. O espaço do encontro foi ótimo, proporcionando a convivência fraterna, a linda natureza proporcionando o descanso e os espaços de mística.
As Novas Gerações da Vida Consagrada do RS estão animadas na caminhada, com o brilho no olhar e um grande desejo de caminhar e ser fiel ao projeto do Reino de Deus.
Ir. Lizandra Inês Both
Pela equipe de coordenação do Mutirão





11 de setembro de 2018

MUTIRÃO MISSIONÁRIO DAS NOVAS GERAÇÕES DE PORTO VELHO


Nos dias 7, 8 e 9 deste mês de Setembro, ocorreu em Jaci-Paraná distrito de Porto Velho/RO, o primeiro Mutirão Missionário das Novas Gerações da Vida Religiosa Consagrada da Regional de Porto Velho, inspirados pelo lema “Saiamos de pressa
 ao encontro da vida” e motivados pelos 50 anos da Conferência Episcopal de Medellín.
Participaram deste mutirão dezoito jovens religiosos e religiosas (OFM Capuchinhos 10, Missionarias Combonianas 3, Ursulinas 2, Irmãs Franciscanas do Coração de Jesus 1, Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade 1, Irmãs do Sagrado Coração do Verbo Encarnado 1). 
Foram acolhidos pela comunidade São Francisco de Assis da área missionária de Jaci-Paraná, coordenada pelo Pe. João Toledo da Silveira, da paróquia São João Bosco (Porto Velho) e Ir. Tania de Oliveira (Distrito de Nova Mutum). No sábado pela manhã, houve a Missa com bênção de envio, presidida pelo mesmo padre.
Durante os três dias, juntamente com a juventude da comunidade, foram realizadas visitas às famílias, convivência com a comunidade local, participação na festa da primavera promovida pelas quatro comunidades que compõem a área missionária, presença no almoço/leilão beneficente ao Hospital do Câncer e interação e integração com as diversas realidades da comunidade.
Conforme o padre João “a comunidade local, passa por diversas situações, de maneira especial os impactos causados pelas Usinas: Girau e Santo Antônio. Girau,  com o término das obras deixou grande número de desempregados. Santo Antônio, atinge o distrito com alagamentos, inclusive o local da igreja São Francisco.”
Com a missão de ouvir e de levar uma palavra de apoio, os religiosos e as religiosas das Novas Gerações foram um sinal profético, levando esperança e fé às famílias e a toda comunidade, encorajando diante das dificuldades que estão enfrentando. Esta missão teve seu encerramento com a celebração da Santa Missa ás 16h do domingo.
Frei Claditon Marcelo Becker - OFMCap








A simplicidade na linguagem do amor


Missão na Ilha do Marajó, em especial na cidade de Anajás – Paróquia Menino Deus.
Ao chegarmos em Belém a ansiedade e curiosidade estava em alta dentro de mim, pois ansiava muito viver essa experiência proposta pela CRB- Nacional à qual sou muito grata por essa coragem de acreditar na força das Novas Gerações.
À medida que íamos chegando e nos acolhendo, o clima de alegria e fraternidade que é próprio da Vida Religiosa Consagrada se fazia presente.
 O primeiro encontro com hora marcada foi importantíssimo para nos conhecer e perceber a beleza do carisma de cada Congregação, Ordem e Instituto, sinal muito presente durante toda missão.
Dois dias depois Dom Evaristo P. Spengler chegou e nos acolheu com muita simplicidade e alegria própria de um Franciscano que se revestiu do amor ao próximo especialmente do povo marajoara. Entre tantas palavras de agradecimento e louvores a Deus o mesmo firmou: “Não tenham medo de avançar para as águas mais profundas e de baixar para compreender e acolher o povo.  Não tenham medo de sentir o povo.”
Com essas palavras e a motivação interna, procurei viver essa experiência de coração aberto e disponível à ação do Espírito Santo. Afirmo que não foi fácil. Nunca em minha caminhada de religiosa fiz uma viagem com tantas horas sobre as águas. Foi um exercício de baixar ao povo, começando por se inclinar para passar por debaixo das várias redes armadas dentro daquele barco.
Esse começo foi para mim uma abertura radical. Dormir uma noite em um barco foi difícil, mas não impossível pois  quando temos irmãos e irmãs companheiros isso faz toda diferença.
Quando firmamos os nossos pés no solo de Anajás, percebemos a simplicidade e a linguagem do amor presente naqueles inúmeros olhos que brilhavam ao ver tantos missionários e missionárias. Muitos me abraçaram e disseram a palavra fundamental para essa missão que foi: coragem!
E a coragem perpassou todo o meu ser com muita alegria e entusiasmo para visitar as inúmeras casas, adentrar na história de tantos ribeirinhos, a coragem de tentar compreender a linguagem dos rios, a coragem de parar, de viver sem conexão com o mundo externo, de vencer o cansaço e brincar com as crianças enfrente uma igreja e assumir que não sei tudo, pois nessas brincadeiras eu afirmei que meu estoque de músicas havia acabado. Uma pequena com seus oito aninhos, afirmou-me com muita convicção e motivou a todos,  dizendo: “Missionária, agora somos nós que vamos ensinar o que a gente sabe.” Isso para mim foi muito profundo,  me deu ânimo para continuar a missão. Assim continuei a buscar coragem em todas as adversidades que surgiram no caminhar.
Caros missionários e missionárias entender a simplicidade e a linguagem do amor, requer de nós viver em saída, como nos propõe o Papa Francisco.
Não tenhamos medo de ser uma faísca do amor daquele que nos chamou junto aos ribeirinhos, pois foi isso que essa missão me fez enxergar: que somos uma simples faísca presente no mundo e que fazemos toda a diferença por onde quer que o barco passe.
Meus sinceros agradecimentos à minha Congregação que  possibilitou estar nessa missão e à CRB- Nacional que acreditou e  motivou as Novas Gerações a viver essa belíssima abertura para nossa Amazônia.
Com muita gratidão
 Ir. Daiane de Araújo Gonçalves
Irmãzinhas da Imaculada Conceição

Mutirão das Novas Gerações de Brasília

De 28 a 30 de setembro o Grupo Novas Gerações Regional Brasília esteve realizando, na Capela N. Sra. Aparecida, que pertence a Paróqui...